Recentemente Leandro Demori publicou um texto no The Intercept, apontando evidências de que a emergência extremista é um projeto global. No texto ele aponta algumas coincidências nos discursos de representantes dos governos Italiano, Húngaro e Brasileiro.

Segundo Demori, na Italia, assim como no Brasil há uma perseguição contra a educação, e o que eles chamam de doutrinação marxista. Ainda segundo Demori:

Salvini, Bolsonaro e Orbán são políticos da nova onda de populismo de extrema direita. Não é coincidência que seus inimigos sejam os mesmos: professores (e jornalistas, “o comunismo”, George Soros etc). Todos estão seguindo um manual extremamente previsível de anti-iluminismo.

O texto de Demori não é muito longo, mas apresenta pistas que precisam ser investigadas.

Também não há dúvidas da influência pela manipulação das mídias sociais, através de fake news impulsionadas por bots e perfis fakes, com a precisão cirúrgica do microtargeting, tendo como principal mentor Steve Bannon, que esteve envolvido na campanha de Donald Trump nos EUA e Bolsonaro no Brasil. e há forte evidências de seu envolvimento no Brexit.

Não podemos deixar de considerar a exclusão recorde de 2,2 bilhões de contas falsas pelo Facebook no primeiro trimestre de 2019, coincidindo com o período pré-eleitoral na Europa.

Para colocar mais um elemento nesta questão, o economists Eduardo Moreira denuncia em um vídeo no Youtube, que o governo brasileiro está querendo sumir com as informações oficiais.

No vídeo o Eduardo demonstra que os links que pesquisava sumiram do Google, antes os resultados eram os primeiros, depois sumiram. O fato me chamou a atenção para um detalhe.

O que pode esta havendo com relação ao Google e estas informações que estão sumindo, pode ter relação com o decreto 9756/19, que “centraliza” os endereços de internet de diversos órgãos do governo (URLS). Isto somado a mudança do nome de alguns ministérios impacta sensivelmente em muitas URLs do governo, mudando-as completamente. Pelo decreto, projetos, secretarias, e outros que possuíam seus próprios endereços de Internet, passam a ser meras pastas sob o endereço do ministério. É importante destacar que para desaparecer com informações na Internet, basta eliminar os links, e no caso do Google isto é feito internamente quando há alguma denuncia ou ordem judicial, ou pela perda de relevância do conteúdo linkado.

O decreto muda significativamente diversas URLs e URIs do governo federal, derrubando sua visibilidade em ferramentas como o Google. Ao mudar as milhares de URLs e URIs, elas perdem “relevância” no Google, pois os webcrawlers que constroem e mantém a sua base de dados, irão encontrar uma enorme quantidade de links quebrados, que levam à página não encontrada ou conduzem a um excesso de redirecionamento, como no exemplo do fazenda.gov.br que agora é economia.gov.br.

O índice de visibilidade do Google, se assemelha ao ranking de artigos acadêmicos, ou seja, quanto mais citações melhor a avaliação. Como os endereços das citações quebraram, o ranking das informações procuradas cai.

O decreto, com validade a partir de sua publicação em 11 de Abril de 2019, em edição extra do Diário Oficial, parece atender ao timming perfeito, dificultando o acesso a informações importantes relacionadas aos temas relevantes como a Reforma da Previdência e Reforma Tributária. Além de inúmeros temas secundários. Os endereços do governo brasileiro na Internet vão levar algum tempo, que pode se estender por alguns meses, para recuperar sua relevância e visibilidade na Internet.

Coincidências ou não, o que parecia ser um decreto inútil e sem sentido, esta servindo como uma gigantesca cortina de fumaça para esconder informações relevantes do governo.

Se há ou não um cérebro invisível por trás desta emergência extremista, é importante identificá-lo o quanto antes, sabe-se lá o que está por trás desta onda de anti-iluminismo descrita por Demori, espero que não seja uma nova idade das trevas…


    0 comentário

    Deixe uma resposta

    %d blogueiros gostam disto: